Coisas Mil


Tudo em mim mudou: deixei as minhas crenças religiosas,
Abandonei as teorias futuras, desacreditei em todas as previsões.
Agora sou um artista pleno das minhas sensações
E pleno das almas virtuosas.

Agora já sei que sou um esquecido em terras esquecidas...
Vêm os ventos Elísios (que me relembram o passado)
E agora, infeliz esquecido encantado,
Sou alguém com mil vidas,

Mas tu sabes isto não sabes? Vocês todos sabem.
Porém, escondem e dizem que desconhecem
Mil vidas que afirmam serem mil pesadelos
E eu, estou a vivê-los.

Mas de que me valem estes suspiros?
As minhas palavras são repugnantes,
Em todos os sentidos, em todos os horizontes,
Sou alguém que navega mil navios,

Perdidos ao longo d'uma costa Oriental...
Dou-lhes as coordenadas para desaparecerem,
Ao último meu último suspiro as águas escurecem
E este é o meu final...




Álvaro Machado - 21:21 - 12-07-2012

Comentários

Mensagens populares deste blogue

Jorge de Sena - Uma pequenina luz bruxuleante

Desventura insensata

Assim.