Sonho.


O sonho que nunca foi sonhado,
Que nunca cheguei sequer a sonhar
É o sonho em que me vejo
Pela gélida expressar do meu olhar

O sonho que nunca foi expressado,
E que todos o acham no passado
É o sonho em que desejo
Ser um desconhecido.

E, na verdade, sou vago de mim...
Os que me acham no trabalho,
Sabem que todo eu falho,
Quando tudo é imaginado.

Atravessam caxemiras pelo reino adentro...
Vêm o medievalismo à janela por fim,
Cantar as conquistas do reinado
E de todo o seu sofrimento...

Castelos foram erguidos à luz matinal,
Que em tempos fora ávida...
Nações foram erguidas no final,
De toda a vida!

Comentários

Mensagens populares deste blogue

Jorge de Sena - Uma pequenina luz bruxuleante

Da outra margem!

de folha em folha, tudo cai vão