Menor.




Menos dominante que o mar,
Não tão supremo como Zeus,
Mas sendo, sou mais um clarear
A crer nos caminhos não meus.

Se a corrente me leva
Pergunto pouco ou nada,
Também por já não haver treva
Dá-se, a vida, por acabada.

Altivas árvores pertencem
À natureza destronada
E, por isso, tantas mentem
Quando a vida passa somente a nada.

Mas sendo, sou uma árvore leviana
Que, ao passar, passem,
Nunca vendo, nunca me olhando,
Se não virem, vão perguntando.

Ergue-se a janela e a sua preciana
A luz é frouxa e cansativa
- Vai a árvore pequena durando
Muito mais que a altiva.

Álvaro Machado- 13-06-2013

Comentários

Mensagens populares deste blogue

Da outra margem!

de folha em folha, tudo cai vão

Jorge de Sena - Uma pequenina luz bruxuleante