Existência




A existência existe?
Por que nunca conseguimos isolar a existência do nosso corpo
E torná-lo inexistente como se nunca fosse uma existência?
Por que existimos?

Se não fossemos ninguém, não éramos ninguém.
Só nos pertenciam as partículas do nada e de nada.
Seríamos só isso; seríamos recônditos de existir
E nas margens havia algo mais...

O facto de eu existir é uma sensação de existência
- Não é, nunca poderia ser, a certeza de existir.
Se há a dúvida de existir não existimos na totalidade
Como se o fosse e não fosse simultaneamente...

A existência é o tédio a perdurar num teatro:
As cenas, que fazem entrar e sair humanidades;
Os actos, que trilham análogos percursos
E os monólogos cismáticos enquanto fumam...

Se eu vos dizer que está numa peça de teatro
Toda a verdade da nossa raça, acreditariam em tal?
(A resposta não existe) De mesmo modo, isso é não-existir
Senão quando se é céptico!

Existir é o sopro do vento: sempre com a mesma rota.
Existir é saber que não existe, como os animais:
Só se sentem, aqueles actores irracionais
Que andam sempre de bom trato com a vida!
….
Existo porque sou fantástico: sinto-o!
(Modéstia à parte, que fique esclarecido)
Mas ser fantástico não dá a certeza de o ser,
Porque sou-o entre mim, que tanto posso crer!

Álvaro Machado – 03:17 – 03-03-2013

Comentários

Mensagens populares deste blogue

Da outra margem!

Jorge de Sena - Uma pequenina luz bruxuleante

de folha em folha, tudo cai vão