Objecto


Desta vida levo todos os momentos descontentes,
Da minha infância ilusória, futurista e cruel...
E a minha chama apagou-se à luz do nascimento
Que não conviveu com este descontentamento...

Mas não me peças cartas com versos insensíveis
Pois, na verdade, nunca conseguiria sentir...
Ó Destino lasso que estás a emergir
Aos meus sofrimentos incansáveis...

Todos me confrontam: sou o objecto,
Em que todos querem possuir;
Sou o infante sem afecto
E um sonhador que se vai extinguir...

Águas descontentes... Batalhas dolorosas....
Volta para mim, eterna infância,
Dolorosa e vaga ânsia...
E que as nuvens me façam um tentador fiel...

Álvaro Machado - 16:04 - 04-08-2012

Comentários

Mensagens populares deste blogue

Jorge de Sena - Uma pequenina luz bruxuleante

Da outra margem!

Barco infantil