África




Apetece-me voar, apetece-me voar
Para bem longe e não voltar.
Toda a natureza me aguarda, esperançada,
Para que eu vá fazer uma boa caçada.

O bom que há está nas terras do café.
Lá o sol brilha intensamente e nunca desaparece.
Voar-me até à terra, voar-me imbuído de fé
E assim, a voar, o bom acontece.

Nos chegue a Primavera a um fim de tarde
E eu não pense mais em terras longínquas!
Imaginá-las entristece como o sol quando arde
E naquelas terras falam-se diversas línguas!

Só falo português. E daqui não quero partir.
Só imagino o cantar das aves de lá,
As correrias dos animais e as caçadas, que só fazem rir,
Quando não existem pelas terras de cá.

Álvaro Machado - 15:42 - 05-02-2013

Comentários

Mensagens populares deste blogue

Da outra margem!

de folha em folha, tudo cai vão

Jorge de Sena - Uma pequenina luz bruxuleante