Consílio dos Deuses


Não peço desculpa. Os Deuses que me entendam,
No consílio Zeus apertara-me a mão firme
E Hades que tanto motivou o desespero disforme
A outros tantos que se findam.

Eu, cansado de mim, ergui-me perante almas divinas
Confrontando hipoteticamente o jazigo dos céus,
Obscuro em trevas que pareciam ruínas.
Aclamei o pensamento perante Zeus!

Mas tudo em vão: frases sublimes, terror sem significado
As partículas assim como pequenas pedras numa orquestra,
Estavam juntas no espaço, mas separadas do tempo inacabado
E toda palavra era filosofia mestra...

«Bem... Ó Zeus amigo de Hades e de Afrodite, erguei-vos perante Cristo
«Pois... Este sozinho transformou-vos no Antigo Testamento,
«Pela pedra d'um cálice imprevisto
«Jazendo ao isolamento»

Parto agora no calor do discurso
Caminho triste no perigoso percurso,
É no cabo da boa esperança,
Que paz a alma de lembrança!

Álvaro Machado - 14:16 - 28-04-2012

Comentários

Mensagens populares deste blogue

Assim.

Desventura insensata

Jorge de Sena - Uma pequenina luz bruxuleante