L'arte


Na arte não somos felizes, somos dignos,
Expressamos o valor, o dom, o momento.
Sem ti ó arte do mundo não éramos fidedignos,
As riquezas morrem. A poesia é lamento!

Contento-me com a solidão de estar só:
Devaneio cumprimentos, deambulo em larguras,
É difícil de contemplar um só nó!
Vou-me abaixo em certas alturas.

És de onde pagão? Do ramalhete?
Nem me responde.. Vacila.
Ainda bate coração; recorda lembrete;
Desaparece na névoa da vila!

E choro o seu amor, a sua ternura,
Alma de tal bondade. Caminhou,
Pelo palácio numa perigosa aventura,
Pobre que desertou...

Isto.. É apenas um desespero,
Se tornou grande e infinito
Esqueço. É-lo bendito.


Álvaro Machado - 13:08 - 14-04-2012

Comentários

Mensagens populares deste blogue

Jorge de Sena - Uma pequenina luz bruxuleante

Desventura insensata

Assim.