Abraço a terra


Abraço a terra que me viu nascer, mas não a amo.
Juntos em variados momentos vivemos
E separamos a dor e os descontentamentos
Das raízes e dos ramos

Nas belas florestas tropicais em que falamos
Aves de rapina e todas as que voavam
Nos olhavam com o medo que nunca cruzamos

Uma, entre outras, a mais bela, sorria ao Destino
Assim como o sol e a luz que brilhavam
Juntos na ligação ao Divino

Abraço as terras, nasci em muitas!
E não as amo; jamais acreditarei
Em meu torno giram suspeitas
Que jamais amarei.

Álvaro Machado - 12:32 - 23-06-2012

Comentários

  1. Boa tarde :) Tens uma escrita mesmo muito bonita e especial... vais mais além. É uma dádiva sabermos expressar os nossos sentimentos. Sou neta da Aliette, amiga do teu tio que lhe mostrou uns poemas teus, que por sua vez chegaram até mim. E gostei imenso.

    Prazer, sou a Daniela ;)

    ResponderEliminar

Enviar um comentário

Mensagens populares deste blogue

Jorge de Sena - Uma pequenina luz bruxuleante

Da outra margem!

de folha em folha, tudo cai vão