Alucinar


Segundos que passaram parecendo anos,
Repentinas passagens que se eternizam...
Mas eu quero não ter uma decadência tão grande como a que tenho tido!
Por favor, Deus. Deixa-me sair do cismo deste quarto escuro que tem como passagem o universo,
Deixa-me sucumbir, fazer-me esquecer da minha solidão. E da dor que perpassa em minha fronte!
Que senão eu mesmo termino com isto!
Ah! Que raiva que sinto quando passo as mãos nos meus cabelos e alucino!
(Mas tu não vês que o destino foi traçado? O que tu vives não existe,
Foi criado para que contemples a tua própria morte e mais nada.
És uma partícula perdida para sempre no vasto universo.)
Mas ninguém sabe, realmente, o sofrimento impregnado nas horas a que vou sobrevivendo...
Ninguém. Isto não é para se viver...

Álvaro Machado - 01:32 - 27-12-2013

Comentários

Mensagens populares deste blogue

Da outra margem!

Jorge de Sena - Uma pequenina luz bruxuleante

de folha em folha, tudo cai vão