Premonição


E se me ouvires, não oiças.
Vê-me no fundo a desaparecer...
Aquela névoa - vê bem - serei eu,
Serei nada, meu ser...

Nunca soube como queria ser
Nem os caminhos que queria percorrer,
Mas no fundo sempre fui uma paisagem
Nunca perto, nunca longe...

Diz-se que de lá - para onde vou -
Se vê muito bem a terra, as cores vivas do nosso planeta.
Quem me contou vive nesse mesmo recanto disperso do universo
E há muitos anos que nos contempla.

Viu a terra nascer: o verde dos campos,
O azul do mar, o primeiro de todos os homens...
E contou-me que Deus criou a terra e só depois os homens.

Se ouvires, não oiças.
Parte, parte enquanto é tempo:
O homem não durará.

Álvaro Machado - 18:34 - 11-01-2014

Comentários

Mensagens populares deste blogue

Jorge de Sena - Uma pequenina luz bruxuleante

Da outra margem!

Barco infantil