Sem significado


Voou tudo que não quis
Bate asas, livre perdiz
Num céu azul fusco,
Teu sonho brusco.

E tudo que não sei
Por breves momentos,
Esqueci sofrimentos
Já não me lembrei.

Parti, transeunte, à velha cópula
Nela.. Vivia a rainha Gagula,
Velha, desgastante, sem cor
Que mundo! Que horror...

No azul do oceano; alaranjado sol
Corriam ventos distantes de mim
E a breve alma viu por fim,
Alto e forte farol.


Álvaro Machado - 15:00 - 26-04-2012

Comentários

Mensagens populares deste blogue

Jorge de Sena - Uma pequenina luz bruxuleante

Assim.

Desventura insensata