Antepassado do mar


Sofre, estático, antepassado invulgar,
Pela estranha atmosfera me via erguer
Ao pé do mar.

Estava escuro e mal se ouvia as ondas
onduladas soltarem grandes gemidos
Aos que se julgavam perdidos.

E. vacilante, pela costa recortada
Ria numa longa e lenta risada
Que me fazia desaparecer

No farol defronte da praia já se faziam rondas
Os estáticos e inúteis bradavam
Os que por nunca ali passavam

Fui dado como desaparecido
Pela tempestade que ia sofrer
Mas que nunca havia aparecido,
Por desaparecer.


Álvaro Machado - 22:47 - 29-05-2012

Comentários

Mensagens populares deste blogue

Jorge de Sena - Uma pequenina luz bruxuleante

Desventura insensata

Assim.