Ao mar.


O mar que leva,
Nunca mais traz.
Volta as costas aos homens
E no fundo do mar
É onde o corpo jaz.

Levou muitos,
Trouxe sempre poucos.
Arrastou-os
Com furacões loucos,
E à tona iam as mãos desaparecendo
E os homens morrendo…

O mar que leva
E que traz,
Um novo herói aclama:
Um homem nobre e audaz,
De Portugal forasteiro.
Defrontou o mar, chegou inteiro.

Álvaro Machado – 19:59 – 21-12-2013

Comentários

Mensagens populares deste blogue

Jorge de Sena - Uma pequenina luz bruxuleante

Da outra margem!

Barco infantil