soneto do passado


dedicado a Camões

tive o sol, tive o mar.
o que verdadeiramente se agigantou.
foi como uma poeira que levantou
para ao céu me fazer chegar.

viajei em todos os recantos,
tive companheiros por esse mundo fora.
e, para os exaltar, exaltando-os com meus cantos,
disse-lhes que chegou a minha hora...

senti sempre o muito em muitas sensações,
dispersei-me por diversos pensamentos,
sagrei-me senhor das divagações!

pusera o fato e o chapéu das navegações,
como se partisse de novo para os descobrimentos:
chegando ao oriente, chegou Camões!

Álvaro Machado - 12:39 - 01-01-2014

Comentários

Mensagens populares deste blogue

Da outra margem!

Jorge de Sena - Uma pequenina luz bruxuleante

de folha em folha, tudo cai vão