Morbidez




Morro, morro por dentro.
Olhem p'ra mim desvanecido
Oriundo das mágoas infinitas
Como se nunca tivesse nascido

Saúdo a infinidade das coisas ditas
Por mim, que falo já esquecido,
Da magistral vida boémia que frequento
E nunca, nunca aguento.

Só eu sei porque sinto morbidez,
Queiras tu ou não saber os porquês,
Hei-de dize-los um dia e de uma vez!

Desta vez leva só este recado
E faz como se isto fosse fado
Cantado por mim adentro.

 Álvaro Machado – 19:57 – 18-10-2012

Comentários

Mensagens populares deste blogue

Da outra margem!

Jorge de Sena - Uma pequenina luz bruxuleante

de folha em folha, tudo cai vão