Ao meu amigo de Cherbourg!




Viva, amigo de companhia singular.
Como tens estado por essa aldeia?
Com tens passado junto ao Mar?

Não sei por que razão te venho escrever,
Pois a nossa vida é uma vida inteira
Que nos corre e cedo vimos desaparecer.

Ah! Vamos esquecer-nos desse dia!
Tenho hoje a disposição faminta de outros ares
E quando te escrevo imagino-me a navegares

O belo som das ondas que nos deixam perdidos
E sem orientação para voltar às nossas casas...
O belo som que nos parece dar asas,

E voarmos é o limite, porque somos uma raça com limites;
E voarmos é sermos marinheiros de rostos felizes,
Ainda que em alto-mar naveguemos por sentidos.

Navegar por sentidos é navegar consoante o vento
E a nossa intuição é de ele estar a Oeste de nós...
(Os sentidos que tanto se fazem passar por nós...)

Deixemos o vento, Sagè! Rememos sem pressentimento!
Errar o Destino? Não sejamos inocentes!
Ninguém erra o Destino de homens resistentes!

Que saudades, velho amigo, que saudades!
Escrever é, dentro de mim, estar perto de ti
E lembrar é voar sobre essas grandes cidades!

Álvaro Machado – 22:00 – 22-01-2013

Comentários

Mensagens populares deste blogue

Da outra margem!

de folha em folha, tudo cai vão

Jorge de Sena - Uma pequenina luz bruxuleante