Encontro


Procura na saudade um termo
Que não vejas, que não toques,
E que lhe sintas a forma do rosto
Que nunca mais tocarás

Acha na saudade o resto do corpo
Que não recordas (será que o recordas?)
E sente-lhe a ternura, o encanto que tanto adoras.
Ele nunca mais voltará.

A carta perde-se de tanto esperar
- Uma das tantas que escrevi durante anos a fio -
Por quem não sabe onde me encontrar.

Quem escreveu soube de sua perdição
Muito antes de o procurarem
- A si e a sua solidão.


Álvaro Machado - 21:14 - 09-01-2013

Comentários

Mensagens populares deste blogue

Jorge de Sena - Uma pequenina luz bruxuleante

Da outra margem!

de folha em folha, tudo cai vão