Inócua



 
Foi das coisas mais belas e inócuas que tive,
A sua semelhança com o rochedo em alto-mar,
Vestida como a brisa passageira do ar,
Foi a passagem repentina de um olhar,

De um momento autêntico que lhe resta memória.
O que havia sido não torna - o momento de glória!
Fica-lhe, de tão curta passagem, a ideia de peculiar
Nos gestos largos e expressivos de luar.

As palavras tornam a existência de si mais ampla
Do que realmente foi a sua expressão;
As palavras são quem a carrega no coração
E quem a esquece num simples apagão...

Álvaro Machado – 20:19 – 06-01-2013

Comentários

Mensagens populares deste blogue

Da outra margem!

de folha em folha, tudo cai vão

Jorge de Sena - Uma pequenina luz bruxuleante