Dimensões, incertezas…




A minha certeza da vida, da humanidade
É não ver luz ao fundo, não achar felicidade;
É olhar dos píncaros longínquos uma razão
E não encontrar mais que ilusão.

Se há início prolongado e certo de que existo,
Por que não há fim efémero disto?
Se há, dogmaticamente falando, um ser para a morte,
Por que há a vida e isso é mais forte?

A minha certeza é contemplar as paisagens
E, cepticamente pensando, confiar em viagens
Entre o consciente infalível e o falível inconsciente
- Isso é a certeza de que tudo me mente -

Mas as dúvidas entre os estados de pensar e contemplar
Desvanecem enquanto encosto a cabeça à chuva - Paro e penso:
O que serei eu afinal? E vocês o que serão? Ninguém sabe precisar,
Ninguém sabe quanto do meu pensamento é extenso!

Só Deus sabe a certeza do homem e da vida, só Deus o sabe.
Quem pensa supõe o que de suposto já foi esquecido.
E nós, uns loucos que sonham e sentem, fomos o tempo entristecido
Em que ninguém soube do que sabe

Atenção, todos! Afastem-se do raciocínio e da dúvida, isso afastem!
Larguem o sentido da vida, o desejo do mundo e a vontade do universo!
Queiram todos desfrutar do que há para desfrutar - Desfrutem, porventura,
Como eu, que vejo o orvalho escorrer pelas janelas da amargura!

Álvaro Machado – 03:10 – 22-12-2012

Comentários

Mensagens populares deste blogue

Da outra margem!

de folha em folha, tudo cai vão

Jorge de Sena - Uma pequenina luz bruxuleante