Outra dimensão


O que será de vós noutro mundo que não este?
Se o corpo vos abandonar o que sereis vós?
Nada. Sereis uma impossibilidade.

A incongruência do vosso cepticismo é assim:
Para sentir-se vivo é preciso ver e tocar;
Para ser-se sábio é preciso só ver com o corpo.

Não sejais assim, servos do real! Outra dimensão
Vos espera à chegada das apoplexias...
Não torneis o vosso tempo cá tão inútil!

Mas que adiante falar-vos, criaturas inventadas?
Destino para vós é troco dos pobres acreditados!
Esse impossível que, na chegada do arrependimento,
Possível demais é!

Ninguém ouve falar em ninguém; o concreto é intocável...
As ciências não prosperam porque é ficção vossa dizeis...
As estrelas do espaço mais longe que a vida é surreal...
E esse abstracto dos malucos somente é vaiado...
Álvaro Machado - 20:54 - 30-09-2012

Comentários

Mensagens populares deste blogue

Jorge de Sena - Uma pequenina luz bruxuleante

Da outra margem!

de folha em folha, tudo cai vão